Hipogonadismo Masculino: o que é, sintomas, causas e tratamerntos

O hipogonadismo masculino é uma doença sem cura que afeta a produção dos hormônios sexuais no homem. Não podemos associar o hipogonadismo com a andropausa, que é um acontecimento natural do corpo masculino.

O hipogonadismo é caracterizado pele deficiência ou ausência da produção de testosterona pelos testículos. Ao contrário da andropausa, que é a diminuição natural na produção do hormônio em decorrência da idade.

Ainda na andropausa, há uma queda de até 12% a cada década na produção do hormônio a partir dos 40 anos, mas ele não deixa de ser produzido. Ainda assim, não é possível afirmar que todos os homens vão sofrer com a andropausa

A testosterona é o principal hormônio no homem. Ela é responsável não só pelo desenvolvimento dos órgãos sexuais, mas também por todas as demais características masculinas de um indivíduo. A deficiência ou ausência na produção desse hormônio pode causar sérios prejuízos ao corpo do homem.

Mas a testosterona não atua somente no desenvolvimento do corpo. Ela é importante também para garantir a boa saúde e bem-estar. Níveis insuficientes do hormônio afetam não só o desejo sexual, mas também a memória e a capacidade de concentração, a força física, contribuem para o aumento de gordura corporal e, consequentemente, para o surgimento de doenças relacionadas ao excesso de peso.

O que é o Hipogonadismo Masculino

Como falei, o hipogonadismo é uma doença sem cura, porém, existem tratamentos de reposição hormonal que são indicados na maioria dos casos.

É possível ainda separa o hipogonadismo masculino em dois tipos: primário e secundário.

hipogonadismo masculino

No hipogonadismo primário, ou hipogonadismo hipergonadotrófico, os testículos não funcionam corretamente. Isso significa que eles produzem pouca ou nenhuma testosterona.

As principais causas para o hipogonadismo primário são:

Infecções;

  • Cirurgias;
  • Doenças autoimunes;
  • Problemas genéticos, como Síndrome de Klinefelter;
  • Radiação;
  • Doenças hepáticas;
  • Doenças renais.

Já no hipogonadismo secundário, ou hipogonadismo hipogonadotrófico, o problema está na hipófise e no hipotálamo. Essas são as glândulas cerebrais responsáveis por regular a produção de testosterona. Logo, elas não funcionarem corretamente interfere diretamente na produção do hormônio.

A principais causas do hipogonadismo secundário são:

  • Infecções;
  • Problemas genéticos;
  • Sangramento anormal;
  • Radiação;
  • Tumores;
  • Deficiências nutricionais;
  • Excesso de ferro;
  • Perda rápida de peso;

Ainda, alguns fatores de risco podem facilitar o surgimento da doença como homens com histórico de doenças hepáticas ou renais, infecções, problemas genéticos ou doenças autoimunes.

Nesses casos é necessário que o homem faça exames personalizados e específicos a fim de identificar a doença. Homens acima dos 60 anos também têm maior propensão a desenvolver hipogonadismo, por isso é bom ficar atento.

Sintomas do Hipogonadismo Masculino

O hipogonadismo pode se desenvolver em homens de qualquer idade. E como toda doença, ele tem alguns sintomas. Como a doença afeta a produção de testosterona, que é muito importante para o desenvolvimento dos órgãos sexuais masculinos, os sintomas podem ser diferentes em cada fase do desenvolvimento humano.

Antes da puberdade, os sintomas mais comuns do hipogonadismo masculino costumam ser justamente o atraso no desenvolvimento dos órgãos sexuais. Não há o crescimento do pênis e dos testículos, nem alterações na voz (muito comum nos meninos durante a puberdade) e tampouco crescimento dos pelos pubianos até os 16 anos.

Ou seja, é como se a puberdade não chegasse para o garoto com hipogonadismo masculino, impossibilitando seu corpo de se desenvolver corretamente.

Já os sintomas após a puberdade são similares ao da baixa testosterona. Há uma diminuição no desejo sexual e na libido, perda da massa muscular, desânimo e falta de energia, fadiga, redução na produção de esperma, crescimento anormal dos pelos corporais e até impotência sexual.

Ainda, outros sintomas menos comuns podem se manifestar como diminuição dos testículos e pênis, voz fina, crescimento do quadril e das mamas (ginecomastia), e crescimento anormal dos braços e pernas.

hipogonadismo masculino

Poucos homens são familiarizados com o hipogonadismo masculino, e não por falta e informação. Na verdade, os sintomas da doença são facilmente mal interpretados. Para colaborar, os homens não têm o hábito de consultar o médico, a não ser que o problema já esteja em estágio avançado.

Tudo isso facilita para que o hipogonadismo masculino seja tratado como qualquer outra doença sem relação nenhuma à produção de testosterona.

Tratamento para Hipogonadismo Masculino

Apesar de ser classificada como uma doença incurável, o hipogonadismo masculino pode ser tratado. O objetivo principal do tratamento é aumentar a fertilidade do homem e melhorar as características sexuais.

O tratamento é indicado pelo profissional médico depois de exames diagnósticos que comprovem a causa da doença. Por exemplo, quando o hipogonadismo masculino é causado por um tumor, a cirurgia ou o uso de medicamentos específicos se mostram extremamente eficazes.

Os medicamentos mais indicados costumam ser Durateston, Deposteron, Nebido e Choriomon M.

Já em casos de lesões ou traumas nos testículos por conta de infecções ou doenças, o médico pode indicar um tratamento de reposição de testosterona.

Lembre-se que somente o médico pode indicar o tratamento mais adequado e somente após a realização de exames específicos. Nunca se automedique ou interrompa o uso de medicamentos sem antes consultar o seu médico.

Essas ações imprudentes podem causar danos sérios e irreversíveis.

Como conviver com o problema

O mais indicado é fazer o tratamento de forma correta. Assim, é possível para o homem ter uma vida normal, sem que a doença interfira também no desempenho sexual.

O hipogonadismo masculino não é uma doença congênita ou hereditária. Ou seja, nem sempre o homem nasce com ela. Ela pode se desenvolver ao longo do tempo, antes ou depois do período da puberdade.

Além disso, as causas do hipogonadismo masculino são muito variadas, o que torna mais difícil a prevenção. Porém, dormir bem, se alimentar corretamente e praticar atividades físicas são pequenos hábitos que podem dificultar o surgimento e desenvolvimento da doença.

Isso porque o hipogonadismo está diretamente ligado à produção de testosterona e ter hábitos saudáveis auxiliam na produção natural do hormônio. Ainda é possível também complementar a alimentação com suplementos naturais específicos.

hipogonadismo masculino

Muitos desses suplementos contêm vitaminas e outros componentes que além de incentivar o corpo a manter os níveis hormonais regulados, também dão mais energia e disposição. E por se tratarem se suplementos naturais, não possuem contraindicação ou efeitos colaterais.

Certamente, a escolha de suplementos naturais é muito mais segura do que o uso de medicamentos sem prescrição médica.

O hipogonadismo masculino pode ser uma doença incurável, mas é totalmente possível evitar que o problema afete sua vida de qualquer maneira. Preste atenção aos sinais que seu corpo emite e se perceber qualquer tipo de alteração em seu funcionamento, procure um médico.

Espero ter esclarecido todas as dúvidas, mas se ficou alguma, pode mandar nos comentários ou no e-mail [email protected].

Um abraço e até breve.

 

Referências:

MARTINS, Ana Maria; COSTA, Elaine M. Frade. Hipogonadismo masculino tardio ou andropausa. 2004.

JUBIZ, William; CRUZ, Eduardo Antônio. Hipogonadismo masculino: Causas, genética, diagnóstico y tratamiento. 2007.

Equipe Homem de Saúde

O Blog Homem de Saúde não é apenas uma das principais fontes para conseguir informação sobre saúde masculina, como também possui uma proposta consistente de oferecer o material adequado para homens que buscam Qualidade de Vida.

Website: